A partir de 02 de abril de 2021, a Delta oferecerá voos sem quarentena de Nova York-JFK para o aeroporto de Milão Malpensa, um dia após o lançamento para Roma Fiumicino. Os serviços permitirão aos clientes qualificados a embarcar para a Itália que evitem a quarentena obrigatória de 14 dias na chegada ao país europeu, seguindo um protocolo de teste rigoroso antes e depois da viagem.

“Um ano após as viagens aéreas estagnarem a níveis nunca vistos num passado recente, esses voos com passageiros testados para COVID e sem quarentena oferecem um verdadeiro impulso para o setor da aviação”, disse o vice-presidente executivo e presidente Internacional da Delta, Alain Bellemare. “Estamos começando a ver mais programas globais de vacinação, mas até que eles se tornem mais difundidos, corredores de voo como esse podem ajudar a manter nossos clientes e tripulantes mais seguros durante o voo”.

Inicialmente, as frequências para Milão vão operar quatro vezes por semana em abril, antes de se tornarem diárias a partir de 02 de maio. Já os voos para Roma serão oferecidos três vezes por semana, aumentando para quatro as rotas semanais em maio e passando à frequência diária em junho.

Os voos pioneiros da Delta com viajantes testados para COVID começaram em dezembro, e o início dos serviços de Atlanta para Roma e também para Amsterdã foi feito em conjunto com nossos respectivos parceiros locais, Alitalia e KLM. O programa oferece aos clientes a garantia de voar com mais segurança e é um caminho claro para apoiar a recuperação econômica global enquanto as iniciativas de vacinação contra a COVID-19 são implementadas em todo o mundo.

“Os novos voos com pessoas testadas para COVID operados pela Delta para Milão Malpensa são um passo importante e tangível para tornar a viagem mais segura e fácil para os passageiros durante a pandemia. E Milão-Nova York é uma rota intercontinental fundamental para o nosso mercado”, disse o CEO da SEA Milan Airports, Armando Brunini. “Esperamos que esse seja o primeiro de muitos outros voos com testagem para COVID e sem quarentena, apoiando o início da recuperação enquanto esperamos que as campanhas de vacinação ganhem impulso. E faço um agradecimento especial ao governo italiano, tanto nacional como regionalmente, pela ajuda para que isso acontecesse”.

Os clientes que viajam para a Itália devem testar negativo três vezes no total, duas delas antes da partida. Na chegada a Milão Malpensa e a Roma Fiumicino, será solicitado a eles que se dirijam às instalações de realização de exames dentro do terminal do aeroporto, onde profissionais da área médica ministram um teste rápido de antígeno. Se o resultado for negativo, eles não precisarão fazer quarentena. Atualmente, as exigências de entrada atuais na Itália normalmente incluem 14 dias de isolamento.

“A extensão para Roma Fiumicino, assim como para outros aeroportos na Itália, das rotas da Delta com passageiros testados para COVID representa um marco muito significativo no processo que leva à recuperação da indústria da aviação e à reativação do tráfego aéreo com a máxima segurança”, comentou o CEO da Aeroporti di Roma, Marco Troncone. “Apoiamos a implementação dos voos com testagem para COVID e fomos o primeiro aeroporto na Europa a ativar corredores seguros e sem quarentena com os Estados Unidos. Os resultados positivos obtidos nesses corredores até agora mostram que os voos transoceânicos cujos viajantes passaram por testagem quanto ao novo coronavírus resultam não apenas em uma redução significativa de risco, mas também em um maior nível de satisfação dos passageiros”.

O novo protocolo estará disponível a todos os cidadãos autorizados a viajar para a Itália por razões essenciais, como por alguns motivos específicos de trabalho, saúde e educação.

Os voos estão disponíveis para reserva no site delta.com. Para embarcar em voos da Delta com testagem para COVID de Nova York a Milão e de Nova York a Roma, os clientes precisarão ter resultado negativo para COVID-19 por meio da realização de:

  • Um exame de COVID do tipo Reação em Cadeia da Polimerase (PCR), feito até 72 horas antes da partida;
  • Um teste rápido ministrado no aeroporto de Nova York-JFK antes do embarque;
  • Um exame rápido na chegada a Milão Malpensa ou Roma Fiumicino.

Os clientes também deverão fornecer informações antes de entrar nos Estados Unidos para ajudar nos protocolos de rastreamento de contato do CDC (sigla em inglês para Centro de Controle e Prevenção de Doenças*). Os voos com testagem para COVID estarão em vigor até 30 de junho de 2021.

*Nota do editor.

Related Topics:
Share