• No primeiro trimestre de 2021, o prejuízo antes dos impostos GAAP foi de US$ 1,5 bilhão, com perda por ação de US$ 1,85 sobre a receita total de US$ 4,2 bilhões;
  • No primeiro trimestre de 2021, a perda ajustada antes dos impostos foi de US$ 2,9 bilhões, com perda ajustada por ação de US$ 3,55 sobre a receita operacional ajustada de US$ 3,6 bilhões;
  • A aceleração da demanda ajudou na geração de caixa positivo no mês de março, marcando um momento fundamental em nossa recuperação.

ATLANTA, 15 de abril 2021 – A Delta Air Lines (NYSE:DAL) anunciou hoje os resultados financeiros do primeiro trimestre de 2021 e apresentou suas perspectivas para o trimestre de junho deste ano. Os destaques dos resultados no referido período, incluindo as métricas GAAP e ajustada, estão descritos no decorrer deste comunicado.

“Um ano após o início da pandemia, os viajantes estão ganhando convicção e começando a retomar suas vidas. A Delta está acelerando para a recuperação com nossa marca mais forte e confiável do que nunca ”, disse o CEO da Delta, Ed Bastian. “Graças aos incríveis esforços do nosso pessoal, alcançamos uma geração de caixa diário positivo no mês de março, uma conquista notável considerando nosso bloqueio dos assentos do meio e o baixo nível de demanda por viagens internacionais e de negócios. Se as tendências de recuperação se mantiverem, esperamos geração de caixa positivo no próximo trimestre e vemos um caminho para voltar à lucratividade no terceiro trimestre, conforme a recuperação da demanda progride”.

Resultados Financeiros do Primeiro Trimestre 

  • O prejuízo ajustado antes dos impostos de US$ 2,9 bilhões exclui US$ 1,2 bilhão em benefícios relacionados à primeira extensão do programa de apoio à folha de pagamento (PSP2), que é parcialmente compensado, entre outros itens, pelos encargos de extinção da dívida incorridos pelo pagamento antecipado de nosso empréstimo a prazo de US$ 1,5 bilhão em slots, portões de embarque e rotas;
  • A receita operacional ajustada de US$ 3,6 bilhões diminuiu 65 por cento diante de uma capacidade vendável 55 por cento menor (consulte a Nota A) em relação ao primeiro trimestre de 2019;
  • A despesa operacional total, que inclui o benefício de US$ 1,2 bilhão relacionado ao PSP2, diminuiu US$ 3,9 bilhões em relação ao trimestre de março de 2019. Ajustado para o benefício relacionado ao PSP2 e com a venda de refinarias a terceiros, a despesa operacional total diminuiu US$ 3,1 bilhões, ou 33 por cento, neste trimestre em comparação com igual período de 2019, impulsionado por reduções de despesas correlatas à capacidade e receita, salários mais baixos e gastos relacionados e forte gestão de custos em toda a empresa;
  • Neste primeiro trimestre, a queima de caixa (ver Nota B) foi, em média, de US$ 11 milhões por dia e tornou-se positiva no mês de março, com geração de caixa de US$ 4 milhões por dia;
  • No final do trimestre de março, a empresa tinha US$ 16,6 bilhões em liquidez, incluindo caixa e equivalentes de caixa, investimentos de curto prazo e linhas de crédito rotativo não utilizadas. A companhia tinha dívida total e obrigações de arrendamento financeiro de US$ 29 bilhões, com dívida líquida ajustada de US$ 19,1 bilhões, que era maior do que a orientação anterior como resultado de decisões de financiamento de aeronaves.

Leia a versão completa, incluindo as reconciliações do GAAP com as medidas financeiras não-GAAP, no comunicado: Resultados Financeiros da Delta Air Lines no Primeiro Trimestre de 2021.

Share