Skip to main content

Delta News Hub Logo

A Delta Air Lines (NYSE: DAL) divulgou hoje os resultados financeiros do segundo trimestre de 2018. Os destaques desses resultados, incluindo métricas GAAP e ajustadas, estão apresentados abaixo e incorporados nesse informativo.

O lucro líquido ajustado para o trimestre encerrado em junho de 2018 foi de US$ 1,6 bilhão, uma queda de US$ 183 milhões em relação ao mesmo período do ano anterior, já que os recordes nas receitas compensaram parcialmente o impacto de US$ 600 milhões nos preços mais altos dos combustíveis.

“Com despesas de combustíveis estimadas em US$ 2 bilhões para 2018, estamos prevendo ganhos do ano inteiro em torno de US$ 5,35 a US$ 5,70 por ação. Observamos um sucesso inicial quando conseguimos lidar com o aumento do combustível e compensar dois terços do impacto no segundo trimestre”, disse Ed Bastian, CEO da Delta. “Com o forte impulso da receita, uma melhoria na trajetória de custos e a redução de 50-100 bps na capacidade do nosso plano para o outono, a Delta deve retornar à expansão da margem no final do ano.”

Receitas

A receita operacional ajustada da Delta de US$ 11,6 bilhões no segundo trimestre apresentou crescimento 8%, ou US$ 880 milhões em relação ao ano anterior. Esse resultado de receita trimestral marca um recorde para a empresa, impulsionado por melhorias nos negócios da Delta, incluindo aumentos de dois dígitos na receita de carga e fidelidade.

As receitas unitárias totais, excluindo as vendas de refinaria (TRASM), aumentaram 4,6% durante o período, impulsionada pela forte demanda em todas as entidades, o que melhorou os rendimentos. O câmbio trouxe um benefício de quase um ponto no trimestre.

“O excelente serviço dos funcionários da Delta, a forte demanda pelo produto que oferecemos e a dinâmica em nossos negócios permitiram à Delta atingir a receita trimestral mais alta da nossa história e aumentar nosso prêmio de receita para o setor”, disse Glen Hauenstein, presidente da Delta. “Embora estejamos satisfeitos com nosso desempenho de receita no trimestre, a aceleração da recuperação dos recentes aumentos no preço do combustível é o principal foco da nossa equipe comercial. Esperamos um crescimento das receitas unitárias totais de 3,5% a 5,5% para o próximo trimestre, à medida que nos beneficiamos das nossas iniciativas comerciais e recuperamos os custos mais altos de combustível.”

Earnings Q2 2018 C1

Orientação para o terceiro trimestre e para 2018

A Delta espera o crescimento sólido da receita, melhoria na trajetória dos custos e o retorno à expansão da margem.

Earnings Q2 2018 C2

Desempenho de custos

As despesas operacionais ajustadas totais no segundo trimestre aumentaram US$ 1,1 bilhão em relação ao mesmo período do ano anterior, com mais da metade do aumento devido aos preços mais altos dos combustíveis.

As despesas ajustadas com combustível aumentaram US$ 578 milhões, ou 33%, em relação ao segundo trimestre de 2017. O preço ajustado por galão de combustível da Delta no trimestre de junho foi de US$ 2,17, que inclui US$ 45 milhões de benefício da refinaria.

O CASM-Ex aumentou 2,9% no segundo trimestre de 2018 em comparação com o mesmo período do ano passado, uma melhoria de um ponto em relação ao primeiro trimestre. As pressões de custo foram impulsionadas pelos custos mais altos relacionados à receita e pelo aumento do aluguel e da desvalorização de aeronaves associados às iniciativas da frota da Delta.

“Esperamos que a melhoria sequencial nas tendências de custo continue no segundo semestre do ano, pois vemos benefícios adicionais da reestruturação da nossa frota, de nossas iniciativas One Delta e depreciação acelerada anual, bem como investimentos anteriores em nossos produtos”, disse Paul Jacobson, diretor financeiro da Delta. “Nossa estrutura de custos é um componente essencial do desempenho sustentável; por isso, se mantivermos nosso crescimento de custos abaixo de 2% no ano, a empresa terá condições de expandir suas margens até o final do ano.”

A despesa não operacional ajustada melhorou US$ 43 milhões em relação ao ano anterior, impulsionada principalmente pelas despesas de pensão favoráveis. A despesa com imposto ajustada diminuiu US$ 255 milhões no segundo trimestre, principalmente devido à redução na alíquota de book tax da Delta de 34% para 23%.

Fluxo de caixa e retornos a acionistas

A Delta gerou US$ 2,8 bilhões em fluxo de caixa operacional e US$ 1,4 bilhão em fluxo de caixa livre durante o trimestre, após o investimento de US$ 1,4 bilhão nos negócios, principalmente em aquisições e melhorias de aeronaves.

Para o segundo trimestre, a Delta retornou US$ 813 milhões aos acionistas, quantia composta por US$ 600 milhões em recompras de ações e US$ 213 milhões em dividendos.

O Conselho de Administração anunciou o dividendo trimestral de US$ 0,35 por ação, um aumento de 15% em relação aos níveis anteriores. Essa mudança totaliza o comprometimento total de dividendos anuais em aproximadamente US$ 950 milhões, quantia consistente com a meta da empresa de devolver de 20% a 25% do fluxo de caixa livre aos proprietários no longo prazo. O dividendo do terceiro trimestre será pago aos acionistas em 16 de agosto de 2018, referentes ao fechamento dos negócios até 26 de julho de 2018.

Destaques estratégicos

No segundo trimestre, a Delta alcançou uma série de marcos nos seus cinco principais pilares estratégicos.

Cultura e pessoas

  • Acumulou mais US$ 400 milhões em participação nos lucros e pagou US$ 23 milhões em compartilhamento de lucro, como prova do excelente desempenho proporcionado pelos mais de 80 mil funcionários da Delta em todo o mundo.
  • A Delta foi classificada como a maior empresa doadora de sangue pela Cruz Vermelha Americana, com 11.085 unidades de sangue coletadas por 214 centros patrocinados pela Delta.
  • Tornou-se um parceiro do programa 3DE da Junior Achievement, com uma contribuição de US$ 2 milhões nos próximos cinco anos.

Confiabilidade operacional

  • A Delta garantiu 58 dias sem cancelamentos do sistema no acumulado do ano, um aumento de 23 dias em relação a 2017.
  • Atingiu a taxa de pontualidade (A0) de 71,7% em sua linha principal no acumulado do ano, 1,4% a mais que no ano anterior.

Rede e parcerias

  • Lançou uma joint venture com a Korean Air no dia 1º de maio, expandiu os voos em codeshare, voando para mais de 50 mercados operados pela Korean Air e 400 mercados operados pela Delta, e anunciou novos serviços entre Seattle e Osaka e entre Minneapolis/St. Paul e Seul em parceria com a Korean Air, que devem iniciar em 2019.
  • A Delta continuou sua expansão global com o lançamento de novos serviços, incluindo de Los Angeles a Paris e Amsterdã; de Indianápolis a Paris; e de Atlanta a Lisboa. A companhia aérea também anunciou planos para iniciar voos sem escalas entre os Estados Unidos e Mumbai, na Índia, em 2019.

Experiência e fidelidade do cliente

  • A Delta lançou a primeira aeronave 777-200ER renovada com a premiada cabine Delta One Suite, a popular cabine Delta Premium Select e fileiras com nove assentos na Main Cabin, bem como novos recursos internos e entretenimento a bordo.
  • Lançou novos uniformes para 64 mil funcionários do mundo inteiro, criados pelo aclamado designer Zac Posen e fabricados com a qualidade Lands’ End. Os designs adotam inovações no caimento, forma e função, e levam a Delta para o futuro em grande estilo.
  • Foi reformado e inaugurado o Delta Sky Club no Aeroporto Nacional Ronald Reagan de Washington (DCA) com a área adicional de 167 metros quadrados.

Balanço Patrimonial de Investimentos

  • Concluiu uma oferta de dívida não garantida de US$ 1,6 bilhão por meio de uma combinação de notas de três, cinco e 10 anos em um rendimento combinado de 3,85%. Os recursos desta oferta foram utilizados para refinanciar a dívida garantida e reduzir a despesa de juros global da Delta em US$ 20 milhões anualmente, com base na taxa de juros.
  • Aumento da capacidade de crédito rotativo de US$ 635 milhões, atingindo o total de US$ 3,1 bilhões em linhas de crédito rotativo não utilizadas.

Resultados do segundo trimestre de junho

Itens especiais do trimestre consistem principalmente dos ajustes a valor do mercado (mark-to-market) em hedges de combustível da refinaria e ganhos/perdas não realizados em investimentos.

Earnings Q2 2018 C3

Sobre a Delta Air Lines

A Delta Air Lines está trabalhando para ser a melhor companhia aérea dos EUA na América Latina e no Caribe. Ela foi homenageada com cinco World Travel Awards em 2017 nas categorias de Melhor Companhia Aérea da América do Norte e Melhor Companhia Aérea dos Estados Unidos para a América Central, para a América do Sul, para o Caribe e para o México pelo terceiro ano consecutivo. A Delta também foi reconhecida com o prêmio Insignia Latam Excellence de 2018 da LADEVI por seu serviço na região. A Delta prossegue seu processo de crescimento na América Latina ao estabelecer uma aliança de longo prazo exclusiva com a GOL Linhas Aéreas InteligentesAeroméxico e a Aerolíneas Argentinas, e está comprometida em construir uma forte presença regional para aprimorar a sua rede global e oferecer a melhor experiência  para os seus clientes. A Delta disponibiliza serviços para 31 países e 51 destinos na região, oferecendo acima de 1.500 voos semanais entre os EUA e a América Latina/Caribe. A Delta oferece aos seus clientes assistência em tempo real, em espanhol e português, pelo Twitter @DeltaAssist_ES e @DeltaAjuda das 9h00 às 19h00. Os clientes brasileiros podem acessar a página do Facebook da Delta dedicada ao Brasil, por meio do link: http://www.facebook.com/DeltaAirLinesBrasil.

A Delta Air Lines atende mais de 180 milhões de passageiros por ano. Em 2018, a Delta foi incluída no top 50 das “Empresas Mais Admiradas do Mundo” da revista Fortune, bem como nomeada a companhia aérea mais admirada pela sétima vez em oito anos. Além disso, a Delta foi eleita como a empresa aérea número um na pesquisa Business Travel News pelo sétimo ano consecutivo, sendo a primeira companhia aérea no topo do ranking. A Delta e as linhas que compõem a Delta Connection oferecem serviços para 324 destinos, em 57 países, em seis continentes. Com sede em Atlanta, a Delta emprega mais de 80 mil pessoas no mundo e opera uma frota com mais de 800 aeronaves. Membro fundador da aliança global SkyTeam, a Delta participa da aliança transatlântica líder da indústria com a Air France-KLM e Alitalia, bem como uma joint venture com a Virgin Atlantic. Incluindo seus parceiros mundiais, a Delta oferece aos seus clientes mais de 15 mil voos diários, com importantes hubs e mercados incluindo Amsterdam, Atlanta, Boston, Detroit, Los Angeles, Cidade do México, Minneapolis-St. Paul, Nova York-JFK, Nova York-LaGuardia, Londres-Heathrow, Paris-Charles de Gaulle, Salt Lake City, São Paulo, Seattle, Seul e Tóquio-Narita. A Delta está investindo bilhões de dólares em aeroportos e produtos, serviços e tecnologia para aprimorar a experiência de viagem de seus clientes no céu e no solo. Mais informações estão disponíveis em Delta News Hub e no site delta.com, no Twitter @DeltaNewsHub, em Google.com/+Delta, em facebook.com/delta e no blog do Delta takingoff.delta.com.

Declarações prospectivas

As declarações nesta atualização para os investidores que não forem fatos históricos, incluindo declarações de estimativas, expectativas, crenças, intenções, projeções ou estratégias para o futuro, podem ser “declarações prospectivas”, conforme definido na Lei de Reforma de Litígios de Títulos Privados de 1995. Todas as declarações prospectivas envolvem uma série de riscos e incertezas que podem causar diferenças significativas nos resultados reais em relação às estimativas, expectativas, crenças, intenções, projeções e estratégias refletidas ou sugeridas pelas declarações prospectivas. Estes riscos e incertezas incluem, mas não somente, custo do combustível das aeronaves; impacto da atividade de hedging de combustível, incluindo reequilíbrio da nossa carteira de hedge; ajustes na marcação de mercado ou garantia relacionada aos contratos de hedge de combustível; disponibilidade de combustível para aeronaves; desempenho dos nossos investimentos em companhias aéreas em outras partes do mundo; possíveis efeitos de acidentes envolvendo nossas aeronaves; interrupções ou falhas de segurança dos nossos sistemas de tecnologia da informação; interrupções em nossa infraestrutura de tecnologia da informação; nossa dependência da tecnologia em nossas operações; restrições que os compromissos financeiros em nossos contratos de financiamento podem ter em nossas operações financeiras e comerciais; questões trabalhistas; efeitos meteorológicos, de desastres naturais e sazonalidade em nossos negócios; efeitos de uma interrupção prolongada dos serviços prestados por transportadoras regionais de terceiros; falha ou incapacidade do seguro de cobrir um passivo significativo na refinaria de Monroe em Trainer; impacto da regulação ambiental na refinaria em Trainer, incluindo os custos relacionados a regulamentos de combustível renovável; nossa capacidade de manter a alta gerência e os principais funcionários; danos em nossa reputação e marca se formos expostos à publicidade adversa significativa nas redes sociais; efeitos de ataques terroristas ou conflitos geopolíticos; condições competitivas no setor de transportes aéreos; interrupções ou paradas no funcionamento de aeroportos onde operamos; efeitos da regulamentação governamental extensiva em nossos negócios; a sensibilidade da indústria aérea a períodos prolongados de condições econômicas estagnadas ou fracas; incerteza nas condições econômicas e no ambiente regulatório no Reino Unido com relação à saída do país da União Europeia; e efeitos da rápida propagação de doenças contagiosas.

Informações adicionais sobre riscos e incertezas que possam causar diferenças entre os resultados reais e as previsões estão contidas nos nossos registros da Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio, incluindo nosso Relatório Anual no Formulário 10-K para o ano fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2017 e nosso Relatório Trimestral no Formulário 10-Q para o período trimestral encerrado em 31 de março de 2018. Um cuidado especial deve ser considerado para não depositar confiança indevida em nossas previsões, que representam nossas opiniões válidas até 12 de julho de 2018 e que não pretendemos atualizar.

Earnings Q2 2018 C4

Earnings Q2 2018 C5

Earnings Q2 2018 C6

Earnings Q2 2018 C7

Earnings Q2 2018 C7

Earnings Q2 2018 C8

Earnings Q2 2018 C9

Earnings Q2 2018 C10

Earnings Q2 2018 C11

Earnings Q2 2018 C12

 

Português (Portuguese)