A companhia anunciou as metas e perspectivas financeiras para os próximos três anos e detalhou a abordagem centrada no cliente durante o Capital Markets Day, além de apresentar as prioridades estratégicas para liderar o setor durante e depois da recuperação.

NOVA YORK, 16 de dezembro de 2021 – A Delta Air Lines (NYSE: DAL) apresentou seu plano para liderar o setor de viagens aéreas na próxima fase de recuperação, impulsionada por um foco intenso nos clientes, a força e confiabilidade de sua marca e sua cultura de serviço baseada em valores e centrada nas pessoas.

Durante o evento Capital Markets Day (Dia do Mercado de Capitais, em tradução livre*), realizado na Bolsa de Valores da cidade de Nova York, a companhia anunciou suas prioridades estratégicas para a comunidade de investidores.

“É claro que a pandemia testou o pessoal da Delta de maneiras sem precedentes, e nossas vantagens competitivas não apenas se mantiveram, mas foram fortalecidas durante a crise”, disse o CEO da Delta, Ed Bastian. “A Delta está superando o desempenho do segmento e nosso caminho para liderar a próxima fase da recuperação está tomando forma graças ao trabalho incrível de nossos 75 000 funcionários em todo o mundo”.

Durante o evento, a liderança sênior debateu sobre como a Delta está expandindo sua plataforma para criar valor a longo prazo. Os destaques do dia incluíram:

  • Vantagens competitivas: a atuação da Delta durante a pandemia fortaleceu ainda mais suas vantagens competitivas e aprimorou a posição da companhia como uma marca de consumo confiável.
  • Liderança do setor: a Delta está liderando o setor operacional e financeiramente, demonstrando agilidade, excelência operacional e disciplina.
  • Preferência de marca: a Delta continua a elevar a experiência do cliente por meio de seu serviço de alto nível e investindo em toda a faixa de opções de viagens, aumentando a preferência e a fidelidade à marca.
  • Poder de ganhos: a Delta espera entregar lucratividade significativa em 2022 em seu caminho para aumentar o poder de ganhos além dos níveis pré-pandêmicos até 2024.
  • Base financeira: a prioridade máxima da Delta é restaurar sua base financeira, com foco na eficiência e geração de caixa para alcançar métricas de grau de investimento até 2024.

“À medida em que nossa lucratividade melhora, estamos focados em reduzir a dívida e investir estrategicamente para construir nossa posição de liderança”, disse o CFO (Chief Financial Officer, ou diretor executivo Financeiro, em português*) da Delta, Dan Janki. “Temos uma estratégia atraente, a qual acreditamos que nos permitirá superar o desempenho financeiro de 2019, entregar margens líderes do setor e gerar caixa significativo para impulsionar o balanço patrimonial nos próximos três anos”.

As metas financeiras da Delta discutidas em mais detalhes no evento incluem o seguinte:

Metas financeiras:

 

2022

2023

2024

ASMs (vs. 2019)

~90%

~100%

100%+

Total Adjusted Revenue (ex-Refinery)

-

-

> $50B

NF CASM (vs. 2019)

Up 7% to 10%

Up Low to

Mid-Single Digits

Up Low

Single Digits

Fuel ($ / gallon)

$2.20 - $2.30

$2.20 - $2.30

$2.20 - $2.30

EPS

-

-

> $7.00

Gross Capital Expenditures

~$6B

~$5B to $5.5B

~$4.5B to $5B

Free Cash Flow

-

-

> $4B

Adjusted Net Debt

-

-

~$15B

Métricas e expectativas adicionais:

  • Margem operacional de 2024 na casa dos “mid-teens”
  • Fluxo de caixa operacional em 2024 > 9 bilhões de dólares
  • Dívida ajustada / EBITDAR em 2024 entre 2x e 3x
  • Terminando 2024 com liquidez entre 5 e 6 bilhões de dólares
  • ROIC em 2024 na casa dos “mid-teens”

“Ao olharmos para o futuro, nossas prioridades são fortalecer a confiabilidade de nossa marca, restaurando nosso desempenho financeiro e construindo um futuro melhor para nosso pessoal e nosso planeta”, disse Bastian. “Nossa ambição é transcender a indústria e criar um valor significativo de longo prazo para nossos funcionários e investidores. À medida em que reconectar o mundo se torna mais importante do que nunca, estamos acelerando nosso caminho para remodelar e redefinir as viagens aéreas”.

A Delta também divulgou uma atualização para os investidores, com uma orientação financeira do quarto trimestre. A companhia agora espera gerar um lucro ajustado antes dos impostos de 200 milhões de dólares no trimestre que se encerrará em dezembro.

O Capital Markets Day começou às 8h15 (10h15, pelo horário de Brasília) e incluiu apresentações de Bastian e Janki, bem como do presidente da Delta, Glen Hauenstein, e do presidente Internacional da companhia aérea, Alain Bellemare. Também houve uma sessão de perguntas e respostas com Bastian e o presidente e CEO da American Express, Stephen J. Squeri, na qual eles debateram sobre o valor crescente da parceria entre as duas empresas neste momento de recuperação e posteriormente.

O comparecimento pessoal foi apenas para convidados. Os slides da apresentação e a transmissão ao vivo foram disponibilizadas no site de Relações com Investidores da Delta em https://ir.delta.com. Uma reapresentação do evento está disponível nesse mesmo link.

DECLARAÇÕES PROSPECTIVAS

As declarações feitas neste comunicado à imprensa que não são fatos históricos, incluindo declarações sobre nossas metas financeiras, devem ser consideradas “declarações prospectivas” sob a Lei de Valores Mobiliários de 1933, conforme alterado, a Lei de Mudanças de Valores Mobiliários de 1934, conforme alterado, e da Lei de Reforma de Litígios de Valores Mobiliários de 1995. Tais declarações não são garantias ou resultados prometidos e não devem ser interpretadas como tal. Todas as declarações prospectivas envolvem uma série de riscos e incertezas que podem fazer com que os resultados reais difiram materialmente das estimativas, expectativas, crenças, intenções, projeções, metas, aspirações, compromissos e estratégias refletidas ou sugeridas pelas declarações prospectivas. Esses riscos e incertezas incluem, mas não estão limitados, ao efeito adverso relevante que a pandemia de COVID-19 está causando em nossos negócios; o impacto de incorrer em dívidas significativas em resposta à pandemia; descumprimento das cláusulas financeiras e outras cláusulas de nossos contratos de financiamento; os possíveis efeitos de acidentes envolvendo nossas aeronaves ou aeronaves de nossas companhias aéreas parceiras; violações ou falhas na segurança dos sistemas de tecnologia dos quais confiamos; interrupções em nossa infraestrutura de tecnologia da informação; nossa dependência da tecnologia em nossas operações; nossas relações comerciais com companhias aéreas em outras partes do mundo e os investimentos que temos em algumas dessas companhias aéreas; os efeitos de uma interrupção significativa nas operações ou desempenho de terceiros dos quais dependemos; falha em alcançar o valor total dos ativos intangíveis ou de longa duração; questões trabalhistas; os efeitos do clima, desastres naturais e sazonalidade em nossos negócios; o custo do combustível das aeronaves; a disponibilidade de combustível para aeronaves; falha ou incapacidade do seguro para cobrir uma responsabilidade significativa na refinaria Trainer, em Monroe; falha em cumprir os regulamentos ambientais existentes e futuros aos quais as operações da refinaria de Monroe estão sujeitas, incluindo custos relacionados ao cumprimento dos regulamentos padrão de combustível renovável; nossa capacidade de reter a alta administração e outros funcionários importantes, e de manter a cultura de nossa empresa; danos significativos à nossa reputação e marca, incluindo exposição à publicidade adversa significativa; os efeitos de ataques terroristas, conflitos geopolíticos ou eventos de segurança; condições competitivas no setor de aviação; interrupções prolongadas ou transformações no serviço nos principais aeroportos em que operamos ou problemas significativos associados aos tipos de aeronaves ou motores que operamos; os efeitos de extensa regulamentação governamental a que estamos sujeitos; o impacto da regulamentação ambiental, incluindo aumento da regulamentação para reduzir as emissões e outros riscos associados às mudanças climáticas, em nossos negócios; e condições econômicas ou políticas desfavoráveis ​​nos mercados em que operamos ou volatilidade nas taxas de câmbio.

Informações adicionais sobre riscos e incertezas que podem causar diferenças entre os resultados reais e as declarações prospectivas estão contidas em nossos arquivos na Comissão de Valores Mobiliários, incluindo nosso Relatório Anual no Formulário 10-K para o ano fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2020 e nosso Relatório Trimestral para o período trimestral encerrado em 30 de setembro de 2021. Deve-se tomar cuidado para não depositar confiança indevida em nossas declarações prospectivas, que representam nossas opiniões apenas na data deste comunicado à imprensa e que não assumimos nenhuma obrigação de atualizar, exceto para na medida exigida por lei.

Medidas financeiras não-GAAP

A Delta às vezes usa informações (“medidas financeiras não-GAAP”) que são derivadas das Demonstrações Financeiras Consolidadas, mas que não são apresentadas de acordo com os princípios contábeis geralmente aceitos nos Estados Unidos (“GAAP”). De acordo com as regras da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos, as medidas financeiras não-GAAP podem ser consideradas além dos resultados preparados de acordo com a métrica GAAP, mas não devem ser consideradas substitutas ou superiores aos resultados GAAP.

A Delta não é capaz de reconciliar medidas financeiras não-GAAP prospectivas sem esforço excessivo porque os itens de ajuste não serão conhecidos até o final do período e podem ser significativos.

*Nota do editor.

Share