A companhia assinou uma carta de compromisso para trabalhar com a iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (Science Based Target iniciative – SBTi, na sigla em inglês*) para definir um objetivo de melhoria em relação à intensidade de emissões com base científica, que usarão os critérios e as orientações recentemente divulgados pela organização para o setor de aviação.

A Delta Air Lines se comprometeu a estabelecer uma nova meta de emissões para suas operações aéreas globais, de acordo com a ciência do clima que sustenta o Acordo de Paris. Esse compromisso complementa o conjunto de ações climáticas já líder do setor adotadas pela companhia, que inclui voluntariamente limitar suas emissões aos níveis de 2012; o comprometimento com a neutralidade de carbono desde março de 2020; e o intuito de substituir 10 por cento de seu combustível de aviação convencional por combustível de aviação sustentável (SAF) até o final de 2030.

“Grandes desafios exigem grandes soluções”, disse o CEO da Delta, Ed Bastian. “A mudança climática é um dos desafios mais importantes que nosso mundo enfrenta hoje, e continuamos comprometidos em impulsionar a mudança em todo o ecossistema da aviação, definindo metas ambiciosas adaptadas aos desafios únicos do nosso segmento”.

Especificamente, a Delta assinou uma carta de compromisso para trabalhar com a iniciativa de Metas Baseadas na Ciência (SBTi) para definir um objetivo de melhoria em relação à intensidade de emissões com base científica, que usarão os critérios e as orientações recentemente divulgados pela organização para o setor de aviação.

A SBTi é uma parceria global importante entre as principais organizações não governamentais que ajudam a comunidade empresarial a alinhar seus objetivos climáticos de médio e longo prazos com a ciência que orienta o Acordo de Paris. A empresa aérea planeja trabalhar com essa organização para desenvolver uma meta de intensidade de emissões aprovada e consistente em relação à orientação específica para o setor, limitando o aquecimento global a um patamar bem abaixo de 2 graus Celsius.

Um componente-chave para definir e alcançar essa meta é acelerar o trabalho já em andamento com renovações de frota, eficiências operacionais e escalar (a produção e utilização*) de SAF, com esse tipo de combustível em particular exigindo forte apoio político e investimento do governo (dos Estados Unidos*).

Em 2020, a eficiência de combustível da Delta melhorou 5,7 por cento por assento-milha em relação a 2019, com economia de 117 milhões de galões de combustível em razão de aposentadorias na frota, redução da carga de passageiros e outros fatores. Este ano, a Delta encomendou mais 55 aeronaves Airbus A321neo, que devem atingir uma eficiência de combustível 12 por cento maior por assento do que os aviões A321ceo. A empresa está alugando sete Airbus A350-900 usados, que consomem 21 por cento menos combustível por assento do que os 777s que eles substituem.

Além disso, em 2021 a companhia comprou mais de 300 000 galões de SAF, colaborando com seus parceiros corporativos para ajudar a expandir o mercado ainda subdesenvolvido do combustível de aviação sustentável. A partir de 2025, a Delta espera receber cerca de 70 milhões de galões de SAF anualmente sob contratos de offtake (um contrato de compra mínima garantida, ou seja, um acordo entre um vendedor e um comprador para aquisição ou venda total ou de parte de itens que ainda serão produzidos*) com dois fornecedores. A empresa também anunciou recentemente um memorando de entendimento com a Chevron e o Google para avaliar os benefícios ambientais e a integridade do SAF e, ao mesmo tempo, aumentar a transparência (dessas operações*).

“Ao fazer parceria com líderes de pensamento e especialistas da STBi, garantimos que as metas que definimos no curto prazo estejam enraizadas na ciência necessária para ajudar a limitar o aumento das temperaturas globais a longo prazo”, disse a diretora geral de Sustentabilidade da Delta, Amelia DeLuca. “Também estamos tendo conversas construtivas com os legisladores em Washington (capital dos Estados Unidos*), uma vez que o setor não pode reduzir significativamente suas emissões na ausência de uma liderança climática federal forte”.

SOBRE A DELTA

Desde março de 2020, a Delta está comprometida em a ser a primeira companhia aérea neutra em carbono em todo o mundo. Ela tem um compromisso de longa data com as viagens aéreas sustentáveis ​​e, por meio de seu relatório ESG inaugural, destaca sua intenção de ser um catalisador para a mudança global e seu papel no crescimento da empatia, do respeito e do cuidado do planeta e das pessoas que vivem nele. Em 2020, a Delta foi considerada a companhia aérea número 1 entre as Empresas Mais Sustentáveis ​​da América pela publicação norte-americana Barron’s. Foi a única companhia aérea dos Estados Unidos incluída no Anuário de Sustentabilidade Global 2021 da S&P. E recebeu os prêmios Vision for America, da Keep America Beautiful, e o Superhero Corporate, da Captain Planet Foundation.

A Delta também conquistou um lugar no Índice FTSE4Good por seis anos consecutivos e no Índice Dow Jones de Sustentabilidade da América do Norte por dez anos seguidos. Para obter mais informações, visite Delta.com/sustainability.

DECLARAÇÕES PROSPECTIVAS

As declarações feitas neste comunicado que não são fatos históricos, incluindo declarações sobre nossas estimativas, expectativas, crenças, intenções, projeções, metas, aspirações, compromissos ou estratégias para o futuro, devem ser consideradas "declarações prospectivas" nos termos da Lei de Valores Mobiliários de 1933, conforme alterado, da Lei de Mudanças de Valores Mobiliários de 1934, conforme alterado, e na Lei de Reforma de Litígios de Valores Mobiliários de 1995. Tais declarações não são garantias ou resultados prometidos e não devem ser interpretados como tal. Todas as declarações prospectivas envolvem uma série de riscos e incertezas que podem fazer com que os resultados reais difiram materialmente das estimativas, expectativas, crenças, intenções, projeções, metas, aspirações, compromissos e estratégias refletidas ou sugeridas pelas declarações prospectivas. Esses riscos e incertezas incluem, mas não estão limitados, àqueles descritos em nossos arquivos com a Comissão de Valores Mobiliários (SEC, na sigla em inglês*), incluindo em nosso Relatório Anual no Formulário 10-K para o ano fiscal encerrado em 31 de dezembro de 2020 e em nosso Relatório Trimestral no Formulário 10-Q para o trimestre encerrado em 30 de junho de 2021. Deve-se ter cuidado para não depositar confiança indevida em nossas declarações prospectivas, que representam nossas opiniões apenas na data deste comunicado, e as quais não assumimos nenhuma obrigação para atualizar, exceto na medida exigida por lei.

Related Topics:
Share