Após ser defendida por milhares de georgianos (como são chamados os nativos do Estado norte-americano da Geórgia)*, incluindo a Delta e seus funcionários, a Geórgia aprovou uma nova e severa legislação contra crimes de ódio. O projeto foi formalmente assinado pelo governador Brian Kemp na sexta-feira, 26 de junho, em Atlanta. Até então, a Geórgia era um dos quatro Estados do país sem uma lei focada explicitamente em crimes de ódio, uma vez que a legislação local, criada em 2000, havia sido anulada por ser excessivamente vaga.

De acordo com os valores seguidos pela companhia, a Delta foi uma das mais de 50 empresas do Estado que formaram uma coalizão pedindo à Assembleia Geral da Geórgia para aprovar um “projeto de lei abrangente, específico e claro” contra crimes de ódio. O esforço foi conduzido pela Câmara Municipal de Atlanta, da qual o CEO da Delta, Ed Bastian, faz parte do Comitê Executivo e será presidente em 2021.

Ed Bastian

Mais de 4 000 funcionários da Delta entraram em contato com os legisladores da Geórgia para solicitar a aprovação de penas mais duras para delitos dessa categoria.

“Quero agradecer aos milhares de colaboradores da Delta que fizeram suas vozes serem ouvidas em apoio à justiça pelas vítimas de crimes de ódio na Geórgia”, disse Bastian na sexta-feira. “Também quero dizer obrigado aos participantes do BOLD (braço do Grupo de Recursos Profissionais voltado aos funcionários afrodescendentes da Delta)* por liderarem esse apelo. Temos um longo caminho pela frente, mas esse é um passo importante em nossa jornada em direção a uma sociedade mais igualitária e justa”.

Bastian afirmou que estava grato às pessoas em nível estadual que trabalharam incansavelmente para homologar a legislação durante este período caótico. “Em primeiro lugar, gostaria de agradecer ao presidente Ralston e aos demais integrantes da Câmara dos Deputados, que há mais de um ano apoiaram o projeto, por encabeçarem a questão. Agradeço ainda ao tenente-governador Duncan, que liderou o esforço no Senado do Estado e aos seus pares no Senado que trabalharam em conjunto. E quero agradecer também ao governador Kemp, por sua mão firme nos bastidores para criar o apoio necessário à lei”.

Keyra Lynn Johnson, diretora de Diversidade e Inclusão da Delta, acrescentou: “Nosso compromisso na Delta vai além da diversidade, da equidade e da inclusão. Dissemos que usaríamos todos os meios que tivéssemos para levar o mundo a um futuro melhor e mais justo – e isso inclui ajudar a erradicar questões e ações sistêmicas enraizadas no ódio. Nossa marca e os colaboradores da Delta tiveram um papel importante em se posicionar a favor da justiça”.

Keyra Lynn Johnson

Depois que a Casa da Geórgia aprovou sua versão da legislação sobre crimes de ódio em 2019, a medida ganhou impulso no Senado a partir de fevereiro, após os assassinatos do corredor Ahmaud Arbery, que ocorreu na cidade de Brunswick, Geórgia, e de George Floyd, morto recentemente pela polícia de Minneapolis, o que provocou indignação em todo o país pela brutalidade policial e injustiça contra a comunidade negra. Na quarta-feira, 24 de junho, foi realizado o funeral de Rayshard Brooks, um negro morto a tiros pela polícia de Atlanta.

A lei HB 426 fornece diretrizes de sentença para qualquer pessoa condenada por atingir uma vítima com base em raça, cor, religião, origem, sexo, orientação sexual, gênero e deficiência mental ou física.

*Notas do editor.

Tópicos Relacionados: Diversidade, Keyra Lynn Johnson, Geórgia

 

Share