Graphic by Courtney Williams

O pagamento da participação nos lucros histórico de US$ 1,5 bilhão – o maior pagamento na história de programas de participação nos lucros – terá um impacto ainda maior nas comunidades locais do que os números sugerem, por conta do que os economistas chamam de “efeito multiplicador”.

Por exemplo, na região metropolitana de Atlanta, onde a Delta pagará US$ 540 milhões a seus 32 mil funcionários, o impacto econômico na verdade será mais que o dobro e está estimado em US$ 1,3 bilhão, de acordo com Jeff Humphreys, economista da Universidade da Geórgia.

O pagamento médio por funcionário dos Estados Unidos é aproximadamente US$ 14.500 ou cerca de 21% dos salários dos funcionários em 2015.

 “No frequentemente mencionado “efeito multiplicador”, o aumento na renda de pessoas vendendo bens e serviços adquiridos com o dinheiro da participação nos lucros da Delta é, por sua vez, utilizado na compra de produtos locais”, disse Jeff Rosensweig, professor da Goizueta Business School na Emory University e diretor do Global Perspective Program. “Em seguida, as pessoas que vendem estes produtos começarão uma terceira rodada de gastos e assim por diante”.

Rosensweig, especialista em economia global, explicou que a participação nos lucros garante que uma considerável parte dos lucros foi inserida diretamente nas comunidades onde os funcionários da Delta vivem e trabalham.

 “As participações nos lucros realizadas pelas corporações é uma das melhores maneiras de ajudar uma economia”, disse Rosensweig. “Embora alguma parte deste acréscimo na renda seja economizado ou gasto fora da economia local, muito dele será utilizado para aumentar a compra de bens e serviços na comunidade local. ”

Outros mercados que receberam grandes pagamentos, incluem a cidade de Nova York com US$ 143 milhões e Detroit com US$ 130 milhões.

A participação nos lucros da Delta beneficia os governos locais também, com uma porcentagem do que foi gasto voltando para o governo em forma de impostos – um benefício que não ocorreria caso a empresa optasse por investir seu dinheiro em novas aeronaves ou em seus acionistas, algo que outras companhias aéreas fizeram. A propósito, a American Airlines não tem um programa de participação nos lucros.

O pagamento da participação nos lucros histórica é um resultado do desempenho recorde da companhia aérea em 2015, com um lucro bruto ajustado de US$ 5,9 bilhões.